ODE A UMA FOLHA EM BRANCO 

  
Tenho só uma folha em branco e mais vinte e seis sinais, além de alguns petrechos, acentos e coisas tais, aspas, hífens, travessões para dar as pontuações e ser fiel às gestões das regras gramaticais.
Encomendo a inspiração que vem por não sei que meio e na minha transcrição vou dizendo sem receio, o que está no coração e nasce dos meus anseios.
Pode ser uma poesia, das que faço todo dia nos estilos mais diversos, ou pode ser uma prosa que fala de espinho e rosa na cantilena dos versos. Como disse Castro Alves, em seu “Obras Escolhidas” esta trova bem bonita, dessas que alegram as vidas: “Do espanhol as cantilenas requebradas de langor, lembram as moças morenas, as andaluzas em flor”.
A folha está ali calada… Não se mexe nem com o vento… Parece que, respeitosa, aguarda que o pensamento me venha ofertar a frase e, às vezes, ele nem quase percebe o doce momento.
Temos na vida estas folhas para deixar os recados e se houver muitas escolhas escrevemos dos dois lados, deixando mensagens sérias ou farsas de enamorados…
Se não houvesse uma folha com a minha certidão, garantindo que eu nasci e que hoje sou um varão, ninguém saberia de mim e eu seria, no fim, somente suposição!
Isso que eu disse é verdade… Se não fosse o documento, eu até na minha idade não teria o casamento reconhecido por todos e sendo pai de um rebento.
A uma folha se deve, eu digo em relato breve, tanto coisa neste mundo! Um livro é uma turma delas, em seqüência, e na espiadela há um mistério profundo. Novo mundo é descerrado, quando um livro é folheado e bebemos de seu néctar e a inteligência se aguça, fale ele de escaramuça ou algo que se projeta e vem do éter pro cerne, transformando em Deus o verme que o homem ainda o é, por falta de inteligência que embota toda a coerência e não o deixa ter fé.
Hoje em estantes guardados, estão livros, lado a lado, formados de folhas mil; contém os abecedários, as cartilhas, dicionários, para ensinar o Brasil.
Tudo o que hoje está escrito, desde os tempos do infinito, estava solto no ar. Mas depois foi registrado e numa folha marcado para podermos guardar. Sabemos dos dinossauros e até dos monstros centauros pela paleontologia, dos deuses da velha Grécia e das suas peripécias; verdades, mitologias…
Até a história do mundo, que sabemos num segundo ao lermos os Testamentos, é filha desta alva folha, cuja principal escolha era balouçar nos ventos.
A esta folha dou graça, porque desejo, sem jaça, falar da sua importância. Se não a defino bem e se não vou mais além é por pura ignorância!…
Esta folha já foi planta, já deu fruto e flor que encanta e deixa o ar bem mais puro; mas agora, em nova sina, o homem ela ilumina porque lhe ensina o futuro!

Anúncios