Houve um desastre aéreo em São Paulo. Um avião explodiu, porque não conseguiu aterrissar.

De quem foi a culpa?

Primeiro, analisemos que avião era esse!

Era um avião avariado, porque um equipamento importante, apesar de eles dizerem que não era, estava com defeito. Um auxiliar de frenagem para ser usado quando os básicos não dão conta.

Perguntemos agora, onde ele desceu?

Desceu numa pista imprópria, por ser curta e cheia de defeitos na sua camada de rolamento. Uma pista que foi inaugurada e liberada sem condições de uso e sem o término das obras.

Apesar disso, eles estão procurando culpados.

Os grandes responsáveis pelo acidente seriam os controladores de vôo, que recentemente agiram com leviandade para pressionar o governo? Seriam os que pilotavam o avião, porque se equivocaram na hora do pouso? Seriam os passageiros que imprudentemente confiaram numa companhia que não agiu dentro das normas de segurança e embarcaram numa canoa furada?

Ora senhores. Para que mais culpados?

Culpada é a ganância que não tem limites. Diminuem centímetros de distância entre os assentos para caber mais meia dúzia de passageiros. Culpada é a avareza que faz o avião ser abastecido até a boca em locais onde o imposto sobre o combustível é mais barato, nesta mistura de Múltiplos Brasis em uma única República fragmentada.

Todos sabem quem são os culpados. Por que, então, eles não se apresentam?

Primeiro, porque há os que desejam procrastinar, o quanto a lei permita, o pagamento das indenizações. Experiências anteriores deixam isso absolutamente claro.

Depois, porque a mídia deita e rola com esses fatos, preenchendo horas e horas  de noticiários pagos a peso de ouro em espaços e minutos caríssimos nos privilegiados órgãos de divulgação.

Se estão procurando os culpados, por que se voltaram para a vistoria de todos os aeroportos e exigem mais pistas de pouso, seguras? Por que querem que os aviões carreguem menos gente? Por que desejam que haja mais tempo entre os pousos e decolagens?

Porque aviões, passageiros, tripulantes, controladores, vizinhos e nós todos, estamos por um fio nessa doideira desvairada quando só interessa a cotação do dólar, se a bolsa subiu ou desceu, o PIB e a maldita CPMF, que deveria ser a sigla de Conluios Perpetuando Mazelas Financeiras.

Paguem imediatamente o que devem, peçam desculpas (o mínimo que devem fazer) e tratem de evitar que irresponsabilidades como essas voltem a matar. E roguem perdão a Deus!

Anúncios