O que produz uma laranja é a laranjeira
E o abacate nasce de um abacateiro,
Como o caju que é fruto só do cajueiro
E uma pitanga que dá sempre em pitangueira

A natureza mostra sempre disciplina
O que permite-nos saber com antecedência
De cada coisa a sua verdadeira essência,
Em cada tempo descobrir seu próprio clima.

A gravidez demora sempre o mesmo tempo,
São nove luas para então nascer o feto,
Embora, às vezes, chegue o filho tão dileto
Pouco mais cedo, por razões de um contratempo.

Nascido um homem, depois vem uma mulher,
Nova donzela e logo após mais um varão,
Esse equilíbrio só se rompe quando não
São respeitadas as leis normais. Logo é mister

Que o nobre ser jamais agrida a natureza,
Nem a maltrate, para ter vida moderna,
Porque ela há de se vingar, passar-lhe a perna,
E o homem irá dar-se bem mal, tenham certeza.

Se com seu lixo ousar alguém sujar um rio,
Fazer esgoto de uma água cristalina,
Ela reserva do que existe em sua mina
E espera, calma, que o humano caia frio.

Depois de livre desse verme irracional
Volta a reagir, retoma o ciclo, e, novamente,
Põe outra água, até mais limpa, na corrente,
Enquanto vai se decompondo esse anormal.

A ecologia sempre nos pede respeito
Para os seus reinos, que são todos naturais,
Pedras e rios, flores, plantas e animais,
Pois são de Deus, do seu amor, tudo perfeito.

Quando estivermos conscientes da verdade,
Não se verá mais agressões à natureza,
A cuidaremos, pois, teremos a certeza,
Que é patrimônio desta louca humanidade.

Anúncios