Entre tramas e urdumes vou tecendo!…
Uso as linhas da vida e do destino,
Que nas mãos se entrelaçam em traços finos
E enquanto isso, teimoso, eu vou vivendo!…

Já começo a não ser, embora sendo
Homem velho com jeito de menino,
De pouca inteligência, a meio tino,
Nesta vida em que vou me destecendo…

O tecido que teço é fantasia…
Do tipo simulacro de alegria
Por isso, externamente, eu sou sorriso…

E como um tecelão já superado,
Tecendo o  meu destino assim trançado,
Eu tento descobrir meu próprio juízo!…

Anúncios