You are currently browsing the daily archive for sexta-feira, 6 junho, 2008.

Tal qual um pássaro numa gaiola,
A mendigar o alpiste de alimento,
Espero ouvir, aqui, neste momento,
Ao menos um acorde de viola…

No seu sonido, algo que consola,
Desejo ter um entretenimento,
Que me deleite e sirva de sustento,
Inda que seja em disco de vitrola.

Enquanto o pássaro, com tom mavioso,
Canta suas mágoas, eu aqui choroso,
Camuflo toda a minha frustração…

Pois a gaiola que hoje me enclausura
Tem muita mais a ver com a amargura
Que toma conta do meu coração…

– O meu corpo é meu e dele faço
O que bem entender, diz muita gente;
Porém, a realidade é diferente,
O corpo é só um resíduo, é qual bagaço…

A alma tem no corpo o seu regaço
Por isso ele não vive independente;
Mesmo que uma beleza ele aparente,
A alma que o anima dá-lhe o traço!

O corpo é emprestado; é a natureza
Que o oferece, cheio de beleza,
E o manda por amor, como um regalo…

Por isso saiba sempre dar o exemplo
E cuide do seu corpo como um templo,
Devolvendo-o ao Pai sem maculá-lo!  

– Apedrejemos, era o grito revoltado…
– Mas, insistiam, que se o faça até a morte.
– Ela pecou e não é justo se comporte
Fora do que na nossa lei está consagrado…

Vendo a mulher, todos temiam por sua sorte,
Quando Jesus rabisca a areia, inspirado,
E diz: – Aquele que jamais tiver pecado,
Atire já a primeira pedra! Ante o olhar forte,

Foram saindo, pouco a pouco, um a um
E quando ali já não restava mais nenhum,
Muito sereno e sempre envolto em grande paz,

Disse-lhe o Cristo: – Viu, ninguém te condenou
E, assim, mulher, tampouco eu fazê-lo vou…
Segue o caminho, mas não peques nunca mais!

Sofrendo as dores que o prendiam àquela cruz,
Porém sereno e sem perder no olhar o brilho,
Disse Ele: “Filho, eis tua mãe; mãe, eis teu filho.”
E ali o parto realizou-se em meio à luz…

Rememorando a cena, então, me maravilho
Embevecido com a atitude de Jesus,
O meigo Mestre que inda hoje nos seduz,
Pois sua palavra sempre soa como estribilho.

Ao entregar o jovem João à mãe Maria,
Quis suavizar a grande dor que ela sentia,
Oferecendo, em seu lugar, novo rebento…

A história guarda o nobre gesto de adoção,
Da mãe do Cristo que se fez a mãe do João,
Porque o amor venceu a dor nesse momento!…

A imagem acima é um risco para pintura em óleo sobre tela, de Leonardo da Vinci.
Boletim Informativo "Tribuna Literária"
junho 2008
S T Q Q S S D
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Leituras

  • 60.478 poetas

Entre com seu email para assinar este blog e receber notificações de novos artigos postados.

Junte-se a 31 outros seguidores