You are currently browsing the monthly archive for junho 2008.

Cientistas inventaram o manto acústico!

As preces de todos mortais que não acreditam que Jesus seja surdo foram atendidas e escutadas pelos cientistas da Universidade Politecnica de Valencia, Espanha.

Meus amigos, vocês não sabem o que é ter por perto uma dessas igrejas do Evangelho de Jesus Surdo. Os pastores berram mais que tenor de segunda categoria e ainda usam aparelhagens de som para ampliar suas vozes e suas preces que parecem não serem ouvidas por Jesus. Lá perto da escola tem dois. Isso mesmo, meus amigos, dois destes pastores que berram. Tomando por base os pontos cardeais, cada um deles se localiza a leste e a oeste das salas de aula. Logo, como as janelas dão para estes lados, todos nós somos brindados pelos gritos e cânticos desafinados.

A coisa ainda está em fase de testes e o cientistas precisam desenvolver mais alguns materiais. Porém, a idéia já foi lançada. Ao que parece, o tal “manto acústico” captaria o barulho e o absorveria, impedindo que este se propague pelo ar.

Torço fervorosamente para que o código de posturas do município do Rio de Janeiro exija a utilização deste manto acústico quando da construção ou ocupação de um espaço qualquer por parte de grupos barulhentos como pastores gritadores e conjuntos de heavy metal que ainda não conseguiram descobrir o quarto acorde.

Por Jorge Albert

“A nação começa a andar pelos pés das crianças.” Essa frase de Miguel Couto está no livro “Carne e Alma” de Rogaciano Leite.

A Câmara decidiu
Dar a todo aposentado
16 e 6 por cento,
De aumento, padronizado,
E foi da mesma opinião
O pessoal do Senado.

Só gasto e perda de tempo
No poder legislativo;
Esse assunto foi levado
Ao “dono” do Executivo
Que já prometeu vetá-lo
Por não ser aplicativo.

Isto é democracia
Ou velada ditadura?
O assunto é mesmo sério
Ou coisa de caradura,
De quem sempre ri do povo
E em cima dele fatura?

Disso tudo se conclui
Que só existe espertalhão;
Querem mesmo é fazer média
Pois está aí a eleição;
Uns dizem pensar no povo
E o outro em nossa nação.

Isso acontece por que
O velho neste país
É produto descartável,
Como já seca raiz,
E se morrer mais depressa
Deixa o governo feliz…

A vocês, seus insensíveis,
Que vivem com mesa farta,
Sem se importar com a criança
Ou  se o pobre  velho enfarta,
Envio-lhes doce recado:
– Vão para o raio que os parta!

O autor demonstra sua indignação ante as leis brasileiras. Aposentou-se em outubro de 1980 por essa fraudulenta CLT com 6,95 SM depois de contribuir pelo teto por 33 anos. Hoje recebe 3,55 SM. Mais alguns anos e estará nivelado aos que contribuem pelo mínimo. Só lamenta não ser funcionário público…
Senhores, nos encontramos no inferno. Até já!

-Desejo que os espíritos afastem
O obsessor que ronda a minha vida,
Que algum ser superior me dê guarida,
Pois não posso viver com tal desgaste.

-É grande diariamente o meu contraste
Porque é uma situação muito sofrida;
Preciso uma amizade enternecida
Que me possa ajudar contra esse traste.

-Mas não funciona assim o mecanismo;
Combata o seu orgulho e o egoísmo,
E assim, por conta própria, ira vencer…

-E o que vive querendo destroná-lo
E só deseja ao chão hoje atirá-lo,
Vai perder! Mas depende de você!…

Nunca seja, doutor, um mercenário
Colocando o dinheiro sempre à frente
Daquele que hoje vive o seu calvário,
Pois pobre e desvalido está doente!…
Jamais seja, doutor, um mercenário!

Não se mostre, doutor, um visionário
Pensando que é um ser onipotente,
Porque é feio que, além de ter salário,
Ainda aja de forma prepotente,
Portanto, não se mostre um visionário!

Nunca esqueça que Deus é seu parceiro
E está sempre ao seu lado no trabalho
Traçando-lhe, em silêncio, um bom roteiro,
Servindo-lhe também como agasalho,
Porque Deus, lá do alto, é seu parceiro!

Não queira ser melhor, ser o primeiro
Para que não se veja em atrapalho
E nem pense em estar sempre a cavaleiro
Porque inda acabará como espantalho
Se só sempre pensar em ser primeiro!

O bem que nós fazemos nesta vida
Não precisa nem ser reconhecido,
Porque mais tarde Deus nos dá guarida
E ainda ficará agradecido
Pelo bem que fizermos nesta vida!

Por muitos anos, sem comprar um pano
A minha mãe, aos filhos, dedicou-se
Para que aqueles que ela ao mundo trouxe
Não se agastassem por ter desenganos…

Assim lutou! E o fez por muitos anos!
Sempre ao seu lado, meu pai esforçou-se,
E os dois na vida só levando couce,
Não desistiam de seguir seus planos…

Queriam dar aos filhos bom futuro,
Mesmo que fosse com trabalho duro,
Para que alegres pudessem viver.

Por isso hoje, e o faço por direito,
Rendo-lhes graças pelo que foi feito,
Com muito amor e intenso bem-querer!

A imagem acima é um risco para pintura em óleo sobre tela, de Leonardo da Vinci.
Boletim Informativo "Tribuna Literária"
junho 2008
S T Q Q S S D
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Leituras

  • 60.478 poetas

Entre com seu email para assinar este blog e receber notificações de novos artigos postados.

Junte-se a 31 outros seguidores