You are currently browsing the monthly archive for novembro 2008.

Na vida de qualquer um
Nós somos sempre o segundo,
Porque essa é a lei maior
Que vigora neste mundo;
Garanto, não falo a esmo,
Todo mundo nesta vida
Gosta mais é de si mesmo!

Às vezes o amor de mãe
Parece mais desprendido,
Resiste a este auto-amor,
Pelo seu filho querido…
Mas eu disse só às vezes,
Porque ela é mais por ela
Quando chegam seus reveses…

Isso se deve a uma chaga
Que macula a humanidade:
O seu nome é egoísmo,
Que gera sempre a maldade;
E ninguém é exceção
Pois primeiro pensa em si,
Em qualquer situação.

Por isso é muito importante
Que cada um possa amar-se,
Mas dar um pouco de amor
Para fazer a catarse
Dos males de ser vivente,
Já que vivemos num mundo
Onde só existe carentes!…

Jesus nos recomendou
Que amássemos nosso irmão,
Como nós, filho de Deus,
Concedendo-lhe o perdão…
Só assim, amando mais,
O homem que está no mundo
Irá construir a paz…

Não confie que alguém lhe traga flores…
Cultive você mesmo o seu jardim.
Com ele enfeite a alma, pois, assim,
Jamais dependerá de outros amores…

Escolha em tons variados muitas cores,
Que vão do azul celeste até o carmim;
Irá sentir-se bem feliz… Por fim,
Não dará espaço a ódios nem rancores…

Pode ser lindo o amor que vem de fora,
Porém se ele nos deixa e vai embora
Só restarão tristeza e nostalgia…

Extasia se alguém decide amar-nos,
Mas se nós mesmos não nos adorarmos
Ficaremos escravos da utopia!…

A importância do bem o homem conhece,
Embora não o tenha praticado
Com a constância que este mundo carece,
Para ver-se liberto do passado…

Sempre tem o Evangelho do seu lado,
Para ler e esbanjar conceito ou prece,
O Pai Nosso diz ele decorado,
Na oração da manhã ou se anoitece…

Porém, hoje, ler só o que está escrito,
Já não basta é preciso também sê-lo
Ter o seu conteúdo em si adstrito…

Ninguém pode esvair-se na teoria,
Porque agora nós temos de vivê-lo
Nas vinte e quatro horas, cada dia!…

Para Deus não existe o “por acaso”
Porque tudo Ele guia pelo amor!…
Quando nasce o espinho ou nasce a flor
Tudo tem hora certa, tempo e prazo.

Há momentos que ocorrem e dão azo
A pensarmos: Que grande é o Criador!,
Nosso Pai Soberano e Bom Senhor,
O poeta maior deste parnaso.

Deu-se assim nosso encontro inesperado,
Mas o esquema de Deus já estava armado
Para o  nosso rever “por acidente”,

Um momento tão terno de amizade,
Que vai ficar por toda a eternidade
Em nosso coração e em nossa mente.

Após encontro com uma colega de escola de nossa esposa, estudantes do colégio das Dorotéias, em Pouso Alegre, Minas Gerais, na cidade de João Pessoa, Paraíba.

Eu saboreava meu prato
E a menina observava…
Vi quando de sua boca
Uma saliva escapava
E ela engolia a seco,
Enquanto eu me deliciava…

O que me era um prazer
Sublime do paladar,
Pois eu havia escolhido
O melhor para o jantar,
Virou de repente fel,
Qual droga a me envenenar!

Olhando fixa em mim
Sem falar, a tal criança,
Mostrava-me seu sorriso
E o seu cabelo de trança
Mas vi que por traz dos olhos
Não morava  uma esperança!…

Por que existe neste mundo
Tão malvada divisão?
Uns dormem em cama macia
Os outros deitam no chão,
Uns tem casa com carpete
Outros só um papelão.

Deus quando fez nossa Terra
A todos deu um pedaço,
Mas vieram os gananciosos
E fizeram de palhaço
Os homens, deles roubando
Seus mais ínfimos espaços!…

Porém, por mais que revolte,
Devemos ter nossa crença.
Se Deus fez tudo perfeito
E hoje há tantas doenças
É para nos aprendermos
A vencer as diferenças!

O forte, socorra o fraco…
Quem é rico, ajude o pobre…
Ofereça pelo menos
Um pouco do que lhe sobre
E se tem dois cobertores
Doe um, num gesto nobre!

Mas em vez de reclamarmos,
Sujeitando-nos a enfarte,
Muito melhor cooperarmos
E fazermos nossa parte,
Tendo sempre a caridade
Como lema e estandarte.

Na hora em que me encaro ante um espelho,
Somente nessa hora é que me vejo,
De aspecto desgastado, um tanto velho,
Com a cara esburacada como um queijo…

Nesses momentos é que tenho o ensejo
De recordar meus tempos de fedelho
Quando tudo era farra, era festejo,
E o sangue, que pulsava, mais vermelho!…

Mas, confesso, de nada tenho queixa;
Se viver com saúde o Pai me deixa,
Pouco me importa a fôrma do meu talhe…

Sou feliz – e é o que conta nesta vida,
Seja ela mais curta ou mais comprida –
Pois ser velho não passa de um detalhe!…

A imagem acima é um risco para pintura em óleo sobre tela, de Leonardo da Vinci.
Boletim Informativo "Tribuna Literária"
novembro 2008
S T Q Q S S D
« out   dez »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Leituras

  • 54,431 poetas

Entre com seu email para assinar este blog e receber notificações de novos artigos postados.

Junte-se a 25 outros seguidores