You are currently browsing the monthly archive for outubro 2009.

Cada vez que algum vate do passado                 Poeta
Sente-se recordado por alguém,
Onde esteja, em qualquer lugar do além,
Vibrará por ter sido relembrado…

Não é justo mantê-lo sepultado,
É preciso lembrá-lo, pois convém
Aprendermos com quem se foi, também,
Deixando um cabedal abalizado!

Cada um que viveu, no seu estilo,
Legou-nos belo acervo, tudo aquilo
Que brotava de sua alma de esteta,

Para lermos, agora embevecidos,
Seus versos, tal qual flores, recolhidos
De uma alma que vibra!… De um poeta!…

Anúncios

Poema_Aborto

De vez em quando volta-me à retina    sonho.bmp
Imagens que inda guardo em pensamento
E afloram, sem aviso, num momento
Completamente fora da rotina!…

E me vejo, bem claro, em movimento,
Por vezes, sob o manto da neblina,
Outras vezes num sol que descortina,
Enquanto vou, no sonho, em passo lento.

As cidades, eu sei, não são daqui;
Pois, nesta vida, nelas não vivi…
Quem sabe são de um tempo já arquivado,

Que agora, de repente, vem à tona
E eu, ao dormitar, nesta poltrona
Revejo, de outras vidas, meu passado…

     estrada

A estrada que vai pra lá
É a mesma que vem pra cá… 
Só você, porém, decide
O sentido que quer dar,
Se você quer ir pra lá
Ou se pretende voltar.

Nisso é que consiste a vida,
No seu sentido vital;
Para uns é complicada,
Mas para outros, normal!
Uns creem que a vida é bela,
Mas outros a creem banal!

O que não pode, ninguém,
É ficar estacionado,
Sem ir pra lá nem pra cá,
Por estar desanimado…
Às vezes ir é voltar,
Mas nunca fique parado!

É a mesma estrada que leva
À ventura e à desdita
E tudo vai depender
Em como você acredita,
E do que espera da sorte,
Que seja feia ou bonita!…

Se observarmos com calma,
Tudo no mundo é um vaivém,
E o que parece importante,
Logo se acaba também…
Portanto cada um procure
Viver o que lhe convém.

Nunca dê grande importância
Ao que falam a seu respeito,
Pois pra uns as qualidades
Parecem que são defeitos!…
Por isso viva a sua vida
Decente, mas do seu jeito…

Tenho a graça da saúde,                             
E até saúde de graça,
Quando caminho na orla,
Pelas ruas, pelas praças,
Porque aqui tudo é saudável,
Com ar puro, sem fumaça.

De manhã, na caminhada,
Recebo todo o carinho
Da natureza bondosa
E deixo pelo caminho
Qualquer tristeza ou problema,
Respirando o ar marinho.

Com sua generosidade,
Oferece a natureza,
Sem nada pedir em troca,
Todo amor, toda beleza,
Na maresia e na brisa
Que espantam qualquer tristeza.

Toda essa graça é de graça…
É só não termos preguiça,
Pois senão o corpo emperra
E logo depois enguiça,
Quando chegam os urubus,
Já farejando a carniça!

Quem tem a oportunidade
Vê que isso é um privilégio
E não se doar à vida,
Desfrutar seu florilégio,
É ser ingrato com Deus,
Cometendo um sacrilégio.

Acorde quem está dormindo…
Ponha a saúde no pé,
Vá fazer a caminhada,
Enquanto reza com fé,
Na certeza de que a vida
É bela; porque ela é!…

A imagem acima é um risco para pintura em óleo sobre tela, de Leonardo da Vinci.
Boletim Informativo "Tribuna Literária"
outubro 2009
S T Q Q S S D
« set   nov »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Leituras

  • 54,802 poetas

Entre com seu email para assinar este blog e receber notificações de novos artigos postados.

Junte-se a 27 outros seguidores