(Brincando de Rimar) – Octávio C. Serrano  10/11/98

Carroça quem puxa é burro
No grego tem Alfa e Beta
Quem briga recebe murro
Goleiro defende a meta
Ave ruim traz mau agouro
Do garimpo sai o ouro
Filha de um filho é uma neta.
 
O míope tem de usar lente
Quem cura o dente é dentista
Ao careca não dê pente
Moda quem faz é a modista
Água fresca é de moringa
No carnaval faz-se a ginga
A arte é coisa de artista  
 
Filme se vê no cinema
Ir devagar não é pressa
Se não é grande é pequena,
No teatro faz-se a peça
Só comendo acaba a fome
Barriga é igual abdome
Namorar é bom a beça.
 
Amigo precisa amigo
O sol nasce no horizonte
O que é novo fica antigo
Em cima de rio tem ponte
Volta sempre nova a lua
“U” está no meio da rua
Pura, só água de fonte
 
Se um perde, o outro ganha
Quem vive tem experiência
Malandragem é artimanha
Juntando leis, dá ciência 
Só quem é vivo é que morre
Desgosto cura é no porre
Não  paga vai pra falência.
 
Catinga pede perfume
Mendigo dorme no chão
Inseguro tem ciúme
Pedestre quer condução
Quem toca usa instrumento
Funcionário espera aumento
Cama fofa tem colchão.
 
Senador é no Senado
Cada batom tem sua boca
Se grita não está calado
Pro hospício vai mulher louca
Findado o dia vem noite
Chicote serve de açoite
No frio, durma de touca.
 
Quem escreve quer ser lido
Honesto ama  o trabalho
Pseudônimo é apelido
Viciado joga  baralho
O trem só anda na linha
O ovo sai da galinha
Homem de pano é espantalho.
 
Se sai do forno é assado
Carro só para se enguiça
Vai de muleta, é aleijado
Carne na tripa é lingüiça
Toda mulher quer um homem
Lua cheia tem lobisomem
Dormir demais é preguiça.
 
É a chuva  que cresce a planta
Pra viver precisa ar
Caminhão grande é jamanta
Quem joga faz pra ganhar
Dedo apontado é em riste
Quem é alegre não é triste
A praia acaba no mar.
 
A droga humilha o drogado
Soldado raso é um praça
Cadeia tem delegado
Palhaço é o que faz a graça
Massa comprida é espaguete
Papel miúdo e confete
Caçador persegue a caça.
 
Quem dorme bota pijama
Despertador que desperta
Tem sono procure a cama
Mulher astuta é esperta
Pedestre anda em calçada
Bobeou, dá cabeçada
Ninguém abre porta aberta
 
Se está calor fica quente
Cabra sabido é raposa
Da cana sai aguardente
Quem tem marido é esposa
Se bebe fica borracho
Pra limpar pé é capacho
No bordel tem mariposa.
 
Trem se anuncia no apito
No coco tem boa água
Filho de cabra é cabrito
Toda tristeza é uma mágoa
De pano se faz vestido
Quem se mete é um enxerido
Ferro se entorta é na frágua
 
Relógio é pra marcar hora
Árvore muita é uma mata
Amanhã não é agora
Branca e preto dá mulata
Avenida não é rua
Se não tem roupa está nua
Vale mais ouro que prata.
 
Muita flor junta é jardim
Faxina quer braço forte
Se tem começo tem fim
Quem tem azar não tem sorte
O livro tem letra escrita
Pobre carrega marmita
Todo marido é consorte
 
Se estuda vira doutor
Pedreiro assenta tijolo
Só mãe sabe dar amor
Massa cinzenta é miolo
Homem de preto é urubu
Da farinha sai o angu
Festa que é boa tem bolo.
 
Repente é com repentista
Vida de peixe é no mar
O carro anda na pista
A lua enfeita o luar
Se é nervoso não tem calma
Corpo não vive sem alma
Viola é pra se tocar
  
Quem tá por cima é que pode
Sandália não é sapato
Macho da cabra é o bode
Um erra outro paga o pato
O desonesto é leviano
Pianista toca piano
Rio pequeno é regato
 
Almoço é no restaurante
Carta se põe no correio
Amor proibido é de amante
Entre os do lado há  o do meio
Bode, em miúdo, é buchada
Cerveja é bom só gelada
Cevada não é centeio
 
Na chuva tem arco-íris
Poesia bonita é soneto
Xícara fica no pires
Contrário de branco é preto
O rádio traz a notícia
Pra manter ordem é polícia
Se não serve é obsoleto.
 
Hospital tem enfermeira
Avião desce no aeroporto
Pra sentar use cadeira
Se não é direito, é torto
Ovo tem clara e tem gema
Astúcia é estratagema
Navio só atraca no porto
 
Pregador, faz pregação
Morde o cão quando se atiça
Amor dói no coração
Sacerdote é que diz missa
Cavalo corre em galope
Cerveja boa é o chope
Primeiro mundo é a Suíça.
 
Com  verso se faz  poema
Bonito é o arrebol
Ser alegre é o melhor lema
Jogo bom é futebol
Jantar vem depois do almoço
Só é velho quem foi moço
Na noite não nasce o sol.
 
Se é buraco está oco
Pra careca só peruca
Se não têm muito, tem pouco
Coco tenro é pururuca
Picolé gruda em palito
Divergência traz atrito
Traseira de testa é nuca
 
No exame é que se faz prova
Carro com pressa é um perigo
Peixe na cria desova
Se não é novo é antigo
No Japão é ao contrário
Todo sabido é um otário
É quando falo que digo.
 
O maior é Jesus Cristo
Quem duvida não acredita
Se é misturado é misto
Falta de dita é desdita
Quem come cobra é gavião
Embaixo do teto é chão
A frase errada é mal dita.
 
Se é gato tem de miar
Minhoca mora na terra
Só rico come caviar
Tem muito tiro na guerra
O medroso sente medo
Se falar não fez segredo
Quem faz o certo não erra.
 
Malandro faz malandragem
Correspondência é uma carta
Sair pra longe é viagem
Se ela está cheia, está farta
Correio precisa selo
Mãe trata o filho com zelo
Quem vive aflito se enfarta.
 
Na nuvem se esconde a chuva
Cachaça vende em garrafa
O vinho é filho da uva
Peixe se pega em tarrafa
Bola de vidro é de gude
Água se guarda no açude
Cabelo em testa é marrafa
 
Viuva não tem marido
Só tem sobrinho se é tio
Não é atento é distraído
Bicho só cruza no cio
Anel se leva no dedo
Se não se conta é segredo
Quem tem vergonha tem brio
 
Menino ruim é moleque
Pião roda com fieira
Tapa na cara é bofete
Padre mulher é uma freira
Muito rico é milionário
O safado é um salafrário
Ruim é a segunda-feira
 
Ateu não acredita em nada
Balão só sobe com fogo
Bom amigo é camarada
Disputa se chama jogo
Sujeira só vira lixo
Trança na nuca é rabicho
Quem promete é demagogo
 
No São João tem fogueira
Marcha longa é maratona
Ninguém vê se tem cegueira
A Xuxa é mãe solteirona
É roubo o juro do banco
Terra de pé é um barranco
Avó na Itália é uma nona
 
A  subida tem descida
Não há escada sem degrau
Chegada é o fim da partida
Bem salgado é bacalhau
Falar do outro é fofoca
Motocicleta é motoca
Pedra quebrada é calhau
 
Quando eu encerro termino
Só danço se tiver par
Todo velho foi menino
A casa pode ser lar
Cobra se esconde na mata
Barcaça rasa é uma chata
Se acabou, vou terminar.
Anúncios