You are currently browsing the daily archive for terça-feira, 27 abril, 2010.

Não nasci nem vivi em Itapetim,
Nem sou um grande poeta ou repentista;
Sou filho de São Paulo e a Bela Vista
Foi a porta de entrada quando eu vim.

É o Bexiga, bem junto da Paulista,
O espigão de onde se avista sem fim
Todo entorno do bairro, que é um jardim,
Com as cantinas, teatros e sambistas.

Na verdade, eu faço alguns sonetos,
Rimo certo nas quadras e tercetos,
Mas nada de expressão, porque, enfim,

É poesia de cunho paulistano,
Que exprime apenas nosso cotidiano,
Sem o charme da grande Itapetim! 

Itaperim, a terra da poesia, no norte de Pernambuco na divisa com a Paraíba, próxima a Monteiro, a terra do grande poeta Jansen Filho.

Imito uma jangada que desliza
Nas ondas de um mar calmo em fim de tarde,
Na hora em que o sol já não mais arde,
Deixando-me levar por suave brisa!…

Eu sou esse momento que eterniza
Mansuetude; de nada faço alarde…
Segue o tempo, para que não retarde
O arrebol, vindo a noite que suaviza…

Por fora, o mundo avança indiferente,
Conforme o trivial de toda gente,
Porque o mar da aflição segue em surdina…

Por dentro busco a calma e a esperança,
Qual jangada que segue e não balança,
Porque conheço e aceito a minha sina!…

A imagem acima é um risco para pintura em óleo sobre tela, de Leonardo da Vinci.
Boletim Informativo "Tribuna Literária"
abril 2010
S T Q Q S S D
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Leituras

  • 61.026 poetas

Entre com seu email para assinar este blog e receber notificações de novos artigos postados.

Junte-se a 31 outros seguidores