You are currently browsing the monthly archive for outubro 2011.

       
Um cisne, um lago, um castelo…
O verde duma floresta
As aves gorjeando em festa,
É o que existe de belo.

Ao alvorecer do dia,
Ou à noite, ao luar,
Não paro de contemplar,
Pois tudo isto me extasia.

Também adoro porões,
Com sua poeira secular,
Mil tesouros a guardar,
Mil historias, e ilusões.

Valorizo a dama antiga,
Que sempre amava com ardor,
Seu marido, seu senhor,
Nunca vivia de intriga.

Aprecio os casarões.
E a família reunida.
Sagrada a hora da comida.
E os momentos de orações.

Aprecio os cemitérios,
Com seus mausoléus talhados,
Que sempre trazem recados,
Dos que foram, e seus mistérios.

…caramanchões bem floridos.
Damas brincando de roda.
Quando a seresta era moda,
Músicas tinham sentidos.

Hoje está tudo invertido.
O que era ruim, hoje é bom.
O mundo mudou de tom,
E o homem está pervertido.

DEUS está sempre presente,
Mas a humanidade o ignora.
Não vejo chegar a hora,
De ELE libertar a gente.

Dornélio B. Meira
João Pessoa, PB, 22/10/2011

Anúncios
A imagem acima é um risco para pintura em óleo sobre tela, de Leonardo da Vinci.
Boletim Informativo "Tribuna Literária"
outubro 2011
S T Q Q S S D
« jul   dez »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Leituras

  • 54,798 poetas

Entre com seu email para assinar este blog e receber notificações de novos artigos postados.

Junte-se a 27 outros seguidores