You are currently browsing the monthly archive for setembro 2012.

Ah! Como eu gostaria de ofertar-te
Uma tela onde houvesse o teu retrato,
Tendo bela moldura como ornato,
Em bonita expressão de enlevo e arte!…

Ah! Queria ser poeta para dar-te
O mais bonito verso que, de fato,
Te levasse a um manso azul regato;
Queria tanto, tanto, homenagear-te;

Mas nas artes não tenho habilidade;
Eu nem toco instrumentos. Na verdade
Sequer uma canção eu sei compor.

Portanto, com o pouco que me resta,
Ouvindo, no silêncio, uma seresta,
Só posso oferecer-te o meu amor!

Anúncios

Ninguém pense que eu tenho solidão
Só porque a companheira foi embora,
Pois sinto lhe a presença e, a toda hora,
Ouço como bater seu coração…

Completou muito bem sua missão,
Fez de tudo o que o bom cristão adora,
Servindo a muita gente, e pode agora
Ser feliz ao viver na imensidão!

Existe solidão se estamos sós,
Mas também ela chega quando nós
Mesmo juntos vivemos separados…

Estar junto é bem mais do que estar perto,
É sermos como oásis num deserto,
Onde os dois podem ser dessedentados!

Eu ontem recebi doce mensagem
De alguém que, até um passado bem recente,
Em minha vida esteve tão presente,
Mas que há pouco se foi desta passagem…

Foi minha companheira de viagem
Cinquenta e quatro anos. Hoje ausente,
Confesso que me deixou bem contente
Saber que está ao meu lado! E a linda imagem,

Após belo  recado, disse, mais,
Que tinha muito orgulho de ter tido
Alguém tão especial por seu marido!

Cabelo de algodão, toda bonita,
Ali foi para fazer-me a visita
E dizer que eu trabalhe e siga em paz!

Recado de Ana Carla – que estava entre o público – no Centro Espírita O Bom Samaritano, no bairro da Torre, João Pessoa-PB, em palestra que fiz em 18/09/2012, 20 horas.

-Quem pode lhe fazer mal,
Serão os seus inimigos?
Claro que não, eu lhe afirmo,
Porque sei bem o que digo,
Todo mal reside em nós,
Por detrás do nosso umbigo!

Como ainda sou deste mundo
Que é de prova e de expiação,
O maior mal que padeço
É o mal da imperfeição
Que me faz ser um doente
Que não consegue ser são!

O mal é que abrigo o ódio,
A raiva, a mágoa e o rancor,
E assim vou me esvaziando
Do sentimento do amor
Esquecendo  todo exemplo
Dado por Nosso Senhor.

Eu desejo ser feliz,
Porém só crio problemas…
Não tenho paciência e fé
E me perco nos dilemas
Por isso quero ser livre,
Mas vido preso às algemas…

O que sei mesmo é que luto
Para poder ser melhor
E ser muito mais fraterno
Com todos ao meu redor,
Até que eu chegue mais perto
Do nosso Pai Criador…

Sou como Paulo de Tarso
Só penso no que aborreço
Logo mesmo sendo pouco
Tenho mais do que mereço
Porque na escala moral
Em vez de subir, só desço!

– Quantas vidas já vivi?
Só Deus pode responder,
Mas sei que elas foram muitas
E eu não consegui crescer,
Por isso ainda muitas vezes
Eu terei de renascer.

A vítima sou eu mesmo
Desse mal que não termina
Por isso a infelicidade
Quase sempre é a minha sina
E meu defeito é tão grande
Que nem com a morte termina!

A Terra será bem melhor em breve,
Pois será promovida de expiação
Para Mundo de regeneração,
Onde o fardo a levar será mais leve…

Cada um irá compreender que deve
Seguir a Lei de Deus sem restrição
E lutar pela sua mutação,
Tudo como o Evangelho nos prescreve.

Saberá ter em paz a consciência
Para sintonizar com a Providência
Na busca de sua superioridade;

Porque, lembrando a Terra Prometida,
Quem morar nesta Terra Promovida
Viverá tempos de felicidade!

 

 

 

 

 

 

 

Para a Amiga especial, Patrícia Albuquerque

Desejo que este momento
Seja mesmo um grande evento
Que fique na eternidade;
Hoje é seu aniversário,
Episódio necessário
Para a mudança de idade!

Mas, na verdade, este dia,
Que lhe dá tanta alegria,
É só sequência da história
Desse seu longo caminho,
Que registra com carinho
Mil fatos em sua memória.

Sem ter falsa jactância,
Nem vaidade, nem ganância,
Você só quer ser feliz,
Dando sempre boa risada
Que chega até a gargalhada,
Em tudo o que faz ou diz!

Os que vivem ao seu lado,
Se sentem beneficiados
Por esse seu bom humor…
Nunca deixe que a magoem
E caso males ecoem,
Combata-os com muito amor.

Você conhece um segredo
Que para muitos faz medo,
Que é ter autenticidade,
Faz do sorriso a bandeira,
Em tudo põe brincadeira,
Mas mantém a seriedade.

É um prazer ser seu amigo,
Me empenho o quanto consigo
Para ser um seu dileto,
E a atenção que me oferece
Sempre muito me envaidece;
Bom merecer tanto afeto.

Receba meus parabéns
E de todos os alguéns
Que hão de cumprimentá-la;
Seus amigos, seus parentes
E todas as outras gentes
Que não se cansam de amá-la!

 

 

 

A imagem acima é um risco para pintura em óleo sobre tela, de Leonardo da Vinci.
Boletim Informativo "Tribuna Literária"
setembro 2012
S T Q Q S S D
« ago   out »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Leituras

  • 55,057 poetas

Entre com seu email para assinar este blog e receber notificações de novos artigos postados.

Junte-se a 27 outros seguidores