You are currently browsing the monthly archive for março 2013.

A sabedoria do poeta pernambucano Manoel Bastos Tigre, sobre a velhice:

ENTARDECER

 
Vem, com a velhice, esta serenidade
Que nos faz ver o mundo sem rancor,
Ter um suave sorriso de piedade
Para quem no ódio viva, odiando o amor.

O ceticismo torna-se em vontade
De ser bom, fazer bem seja a quem for;
Ao mau que não tem culpa da maldade,
Ao que é, por seu destino, sofredor.

Abençoada velhice! Os desenganos
Que nas lições da vida ela nos traz
Nos trazem lucros, não nos trazem danos;

Vemos que a luta que ficou atrás
Não vale, bem medida, os poucos anos
Que nos restam viver, vivendo em paz.

 
ENVELHECER

 
Entra pela velhice com cuidado,
Pé ante pé, sem provocar rumores
Que despertem lembranças do passado
Sonhos de glórias, ilusões de amores.

Do que tiveres no pomar plantado,
Apanha os frutos e recolhe as flores;
Mas lavra, ainda, e planta o teu eirado,
Que outros virão colher quando te fores.

Não te seja a velhice enfermidade.
Alimenta no espírito a saúde,
Luta contra as tibiezas da vontade.

Que a neve caia, o teu ardor não mude,
Mantém-te jovem, pouco importa a idade;
Tem cada idade a sua juventude.

Anúncios

Muita palestra sei que você assiste;
O lamentável, é que ainda persiste
Em ser do mundo, em vez de ver primeiro
Que só se pode ter felicidade
Se a não buscarmos nesta sociedade,
No que se compra apenas com dinheiro!

Felicidade não é deste mundo,
Já disse o Cristo, em seu saber profundo,
Pois nos conhece e sabe como somos.
Mas se quisermos ter nossa ventura,
Todos podemos, nobre criatura,
Por que ela está somente onde a pomos…

Quem disse foi Vicente de Carvalho
Que ensinou-nos em ligeiro atalho,
Num dos sonetos seus, o “Velho Tema”;
Disse que existe a tal felicidade,
Porém que nós temos dificuldade
Em encontrá-la pelo nosso esquema…

Felicidade não é onde chegamos,
Mas a sentimos quando a procuramos,
Em um trajeto de boa diretriz;
Na caminhada e sonhos de uma vida,
Por essa estrada, às vezes, tão comprida,
Pensando em Deus, se pode ser feliz…

Mas este homem tão materialista,
Ciumento, orgulhoso e egoísta,
Só corre atrás das coisas descartáveis.
Talvez por isso nunca se dê conta
Que o seu próprio equilíbrio ele afronta
Formando a comunhão dos miseráveis.

Desperte cristão, siga o Messias,
Transforme o ritual desses seus dias,
Para sintonizar com os serafins;
Senão daqui haverá de ser banido,
E depois, mesmo estando arrependido,
Terá de reiniciar noutros confins!…

A imagem acima é um risco para pintura em óleo sobre tela, de Leonardo da Vinci.
Boletim Informativo "Tribuna Literária"
março 2013
S T Q Q S S D
« fev   abr »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Leituras

  • 55,057 poetas

Entre com seu email para assinar este blog e receber notificações de novos artigos postados.

Junte-se a 27 outros seguidores