Alerta para os ricos, poderosos, patrões, chefes…

Octávio Caúmo Serrano – 26/10/2013

Há muito homem bonito,
Elegante, bem vestido,
Mas se o filmarmos por dentro
Veremos que é um malquerido,
Pois é só um verniz que encobre
O que já está apodrecido!

Quando acorda de manhã,
Já se sente como o sol!
Só ele detém a luz,
Brilha mais que o arrebol,
E crê que o outro só enxerga
Se ele servir de farol…

Por ter uma posição,
Um título de doutor,
Vê nos outros a ralé,
Esse pobre sonhador,
Sem saber que é quem precisa
Mais compaixão do Senhor!

Se tem o carro do ano
E um ap de cobertura,
Sai da frente do indivíduo,
Dessa pobre criatura,
Que pensa ter o poder
Por causa dessa estrutura.

Isso se pode perder
Em um só lance arriscado
Ou depois de um acidente,
Que vai deixa-lo alienado.
De que adiantará tal luxo
Na cama, imobilizado?

Quem menospreza o inferior
Só porque está bem na vida,
Lembre que a escada que sobe
É a que se usa na descida
E a queda do descuidado
Geralmente é dolorida!

Valores que contam mesmo
São respeito, educação,
Gentileza e caridade
Com quem merece atenção
Mesmo sendo um subalterno
Ou o lavador de chão!

A roupa que nós vestimos
Foi alguém que a costurou;
A comida que comemos
Foi alguém que a preparou;
E os detritos que geramos
O lixeiro é quem levou!

Se o dente dói é preciso
O serviço do dentista;
No posto de gasolina
Dependemos do frentista
E se um câncer nos ataca,
Buscamos o oncologista!

Não há ninguém neste mundo
Que seja autossuficiente,
Pensando que tudo pode,
Porque depende de gente
Que cuide da sua vida
E até dos seus descendentes!

Seja em qualquer posição,
Mesmo se estamos por cima,
Alguém sempre  é mais que nós,
Há de haver alguém acima,
E precisamos de ajuda
Se o nosso olho lacrima.

Por final, a advertência:
Cuidemos em ser humanos,
Pois sofreremos na pele
Cada um dos desenganos
Que provocarmos aos outros
Mesmo por  ”baixo dos panos!”

Quem não acreditar, faça o teste! E depois, tente dormir!

Anúncios