Américo Falcão (o poeta do mar)  –  Lucena-PB – 1880-1942

Eu não sei compreender a justiça e o direito
Que nascem como sóis dos tribunais do mundo.
Não vejo no universo um julgador perfeito,
Ativo seguidor do direito profundo!

A lei condena agora o triste vagabundo,
A quem chama, talvez, de mísero suspeito;
A mesma lei absolve o milionário imundo,
Alma negra e feroz – emblema do defeito!

A lei somente alcança os entes miseráveis,
Atirados, sem pena, aos lúgubres cafuas,
Pelo rubro rancor dos homens execráveis!

O outro transforma a lei e o poder tudo aplaca;
Exemplo: andam aí, vagando pelas ruas
Criminosos sociais, perversos de casaca!…

Anúncios