Ao voltar a este vale de torturas
Para aqui nos unirmos e ter filhos,
Camuflou-nos o Pai os empecilhos
Que aguardavam as fracas criaturas!

Nas lutas, neste mundo de loucuras,
Imaginando pô-los nos bons trilhos,
Constatamos que, em vez de termos brilhos,
Só iremos merecer muitas censuras…

Por mais que alguém se empenhe nunca acerta;
E aquele que depois crescer, na certa,
Irá enfrentar as mesmas restrições…

Jamais terá sucesso na empreitada!…
Querendo fazer tudo, não faz nada
E ao fim só colherá decepções…

Parabéns a todos os que discordarem deste soneto. São criaturas de sorte e têm muito que agradecer a Deus!

 

Anúncios