Ideias                            Octávio Caumo Serrano – caumo@caumo.com

Ninguém tente anular uma ideia destruindo-a ou matando o seu autor. Isto só se consegue apresentando uma ideia que lhe seja superior.

Quando em 9 de outubro de 1861, às 10h30 da manhã, o bispo ordenou a incineração de livros espíritas na esplanada de Barcelona, ação que ficou conhecida como Auto-de-Fé, não imaginava que graças ao seu zelo imprudente toda a Espanha iria ouvir falar de Espiritismo e quereria saber o que é. “É tudo o que desejamos”, disse o Codificador da Doutrina, o professor Allan Kardec, que não recorreu contra a arbitrariedade de V. Ex.ª Revma ,Antônio P. Termes, apesar de os livros terem sido legalmente exportados.

Queimam-se livros, monumentos e pessoas, mas não se podem queimar ideias. Elas vivem no éter e sempre há quem queira aspirá-las. Se verdadeiras, sobreviverão às atrocidades e gestos de ignorância; a proibição incentiva a curiosidade e dá mais força ao que foi camuflado!

Não fosse isto uma verdade e a inquisição, que durou vários séculos, teria destruído não apenas os médiuns, chamados bruxos, mas também a mediunidade. E ela é um dos maiores patrimônios do ser humano. Todo homem é médium e mesmo que não tenha tarefas definidas, é por meio da inspiração que vem do mundo Superior que cientistas recebem revelações, poetas e compositores sintonizam com as artes e esquizofrênicos se ligam à espiritualidade inferior para alimentar suas loucuras e fantasias. A sintonia existe sempre e a escolha é nossa para definir ao que desejamos nos ligar. Há médiuns em qualquer religião e mesmo entre os ateus.

Os homens mataram o Cristo, mas não destruíram nem abalaram o cristianismo. Ele sobreviveu e das raízes das catacumbas expandiu-se para chegar vigoroso até os nossos dias. Hoje o vemos no catolicismo, no protestantismo, no espiritismo e noutros credos que seguem as máximas de Jesus; a essência, porém, permanece a mesma e a máxima dos dois primeiros mandamentos mosaicos, “Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo”, condensados num só pelo Mestre Galileu, segue mais atual do que nunca. É também a mais pura mensagem para a paz do mundo e amor entre os homens que a Terra já recebeu. A maior mudança social feita por apenas treze homens: um guia e seus doze discípulos!

Há dois tipos de tolos: o que acredita em tudo e o que não acredita em nada; não sejamos como nenhum destes dois. Se não sabemos, perguntemos; se não entendemos, insistamos; se não concordamos, vamos dar tempo ao tempo. É sempre possível que os equivocados sejamos nós…

Jornalista e poeta

Jornal Correio da Paraíba de 27/01/2015

Anúncios