Receita de soneto             Octavio Caúmo Serrano  caumo@caumo.com

Depois da semana modernista de 1922, 11 a 18 de fevereiro, no Teatro Municipal de São Paulo, as artes sofreram uma revolução. Pintura, Escultura e Poesia, passaram a ter liberdade que não tinham. A partir desse evento, o poeta livrou-se do engessamento das rimas e das métricas, nascendo o verso branco ou livre. Uma alforria cultural, garantem!

Não vamos falar dessa liberdade nem opinar sobre o verso livre. Fiquemos no soneto, ainda muito ao gosto do povo e dos poetas, dos cantadores e até dos modernistas que se encantam e também os compõem. É forma sintética de contar uma história, filosofar ou dar um recado em apenas catorze versos; duas quadras e dois tercetos.

Há sonetos de bom conteúdo, com cesuras corretas (a divisão que dá ritmo ao verso), mas que falham na amarração das rimas, porque o autor ignora que as terminações da primeira quadra devem ser obrigatoriamente as da segunda. Mesmo que numa seja ABBA e na outra BAAB; ou ABAB e na outra BABA. Nos tercetos há total liberdade. Podem ser AAB e CCB ou ABA e CBC ou ABC e ABC. Cada letra representa uma linha (um verso) do soneto. Para confirmar o que dissemos, leiam os clássicos: Bilac, Jansen Fº, Augusto, Raimundo, Rogaciano, Otacílio, Perylo, Auta de Souza, Oliveira, Camões,  etc.

Exemplificamos com o belíssimo soneto de Djalma Andrade, mineiro de Congonhas do Campo, Ato de Caridade. Confiram: Que eu faça o bem, e, de tal modo o faça/Que ninguém saiba o quanto me custou./Mãe, espero de ti mais esta graça/Que eu seja bom sem parecer que o sou. Que o pouco que me dês me satisfaça/E se do pouco mesmo algo sobrou/Que eu leve esta migalha onde a desgraça/ Inesperadamente penetrou. /Que à minha mesa, a mais, tenha um talher/Que será, minha mãe Senhora Nossa,/Para o pobre faminto que vier./Que eu transponha tropeços e embaraços,/Que eu não coma sozinho o pão que possa/Ser partido por mim em dois pedaços.

Vamos seguir sonetando. Mas agora, corretamente.

Jornalista e poeta

Jornal Correio da Paraíba – 10/10/2015

Anúncios