You are currently browsing the monthly archive for setembro 2016.

Bom dia, meus Amigos.
Hoje me deu saudade do meu pai. Fiz um verso sobre os tempos que se foram. Entre 1940 e 1950. Guerra e após-guerra. Vida dura.

LEMBRANÇAS

Por um tempo morei num barracão
Com paredes, desnudas, sem reboco,
Sem ter forro – no frio era um sufoco -,
Com tijolos cobrindo todo o chão!

A luz, a querosene, de lampião…
O meu pai trabalhava como um louco,
Doente, mas ganhava aquele pouco
Essencial para a nossa nutrição!…

Quem pensar que eu abrigo na minha alma
Feridas pelas mágoas de algum trauma
Por viver esta etapa assim sofrida,

Engana-se, pois se olho para traz,
Sinto orgulho por ter tido bons pais
Dando exemplos do que é vencer na vida!

Sua bênção meu pai, onde esteja!

Anúncios
A imagem acima é um risco para pintura em óleo sobre tela, de Leonardo da Vinci.
Boletim Informativo "Tribuna Literária"
setembro 2016
S T Q Q S S D
« jun   nov »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Leituras

  • 54,802 poetas

Entre com seu email para assinar este blog e receber notificações de novos artigos postados.

Junte-se a 27 outros seguidores