You are currently browsing the category archive for the ‘Minhas Poesias’ category.

A FAXINA
Octávio Caúmo Serrano – 6/2/2017

Aquele que por si tem autoestima,
Aplique o mais que possa no perdão.
Para ter serenado o coração,
Promova sempre n´alma uma faxina!

Tristeza acumulada, a oração
Ajuda a eliminar de sua rotina;
Mas o perdão é uma matéria prima
Que é vital para a sua evolução…

Expulse cada mágoa que acumula,
Senão o seu caráter se macula
Devido ao azedume que o maltrata…

Cultive a sua consciência bem tranquila,
Pois senão essa dor o aniquila,
Já que veneno de ódio também mata!…

Anúncios

23/12/2017
Octávio Caumo Serrano

Você vive fazendo citações
De filósofos, velhos pensadores,
Repetindo só frases de doutores,
Que nem percebe as próprias emoções…

Concentra-se nas suas frustrações,
Culpando a vida por seus dissabores,
Mas a causa de sermos sofredores
É não dosarmos as limitações.

Já pensou em pensar com a própria mente?
Talvez você ficasse mais contente
E não iria viver de fantasia;

Expresse as suas ideias com coerência,
Mas sem usar jamais de prepotência,
Vivendo um só dia a cada dia…

Se pararmos, nossos pés afundam no charco; se corrermos tropeçam na ilusão; fomos feitos para caminhar passo a passo; devagar e sempre! Só a fé e a paciência podem ritmar nossa pressa! Use a chave que abre todas as portas:  BOM SENSO!

Inspirado nos corretos políticos brasileiros, já estou elaborando minha plataforma para 2018. Só que prometo o maior empenho para cumprir e não a transformar em apenas promessa de campanha!

MEU PROGRAMA DE ANO NOVO. QUE VENHA 2018.
Octávio Caumo Serrano

Que no ano que está chegando
Eu tenha mais paciência,
Porque só assim posso encher
De paz a minha consciência.
Que eu seja bastante brando
E não me perca em violência,
Que tranque mais minha boca,
Não diga maledicência,
E diante da dor alheia
Que eu tenha sempre clemência.
Que eu transmita, humildemente,
A todos minha experiência,
Que eu seja trabalhador
Nunca cultive a indolência.
E tendo pouco me baste,
Sem precisar da opulência.
Que o meu dever eu respeite,
Não use de negligência,
Que no bem meu coração
Faça a sua residência;
E eu nunca julgue ninguém,
Que eu não tenha essa tendência,
Independente do erro,
Que eu tenha benevolência
E ante o poder divino
Eu mantenha a reverência…
Que à frente de um sofrimento
Se aguce a minha vidência,
A fim de que o meu socorro
Atenda a a toda emergência.
Que eu jamais me perturbe
Diante de uma turbulência
E faça da caridade
A verdadeira ciência,
Pra que nesta encarnação
Eu atinja a transcendência!

Amém!

Acordei me examinando…

MÃOS – 26/11/2017
Octávio Caumo Serrano

Que eu sempre use as mãos com mansuetude,
Que ponha nelas todo amor que sinto
Para servir um prato a um faminto
E tendo nos seus gestos só virtude…

Que seja só de paz minha atitude
E o ódio esteja em mim já todo extinto!
Que eu tenha a caridade como instinto,
E saiba sorrir sempre, sem ser rude.

Que elas levantem alguém que está caído,
Alguém que, junto a mim, vejo sofrido,
E que busque o repouso de um regaço.

Que elas amparem o trôpego em vacilo,
E que ao final de tudo, em belo estilo,
Saiba ainda afagá-lo em longo abraço!

 

TROCANDO EM MIÚDOS – 26/11/2017
Octávio Caúmo Serrano

Em vez de reformar a previdência,
O senhor que se acha competente,
Por que é que não resolve, presidente,
O terrível problema da violência?

Se quiser comprovar a sua eficiência,
Procure decretar daqui para a frente,
Medidas que protejam nossa gente,
Porque é de pasmar sua negligência…

Eu creio que o senhor não lê jornal
Nem vê pela TV que o marginal
Transformou-se no dono da nação…

Já nem cadeia mais pode detê-lo,
Por isso aqui lhe faço um grande apelo:
-Salve-nos; ou dê a outro essa função!

Nas plataformas dos novos candidatos em 2018, já adivinho que vai constar: Mais escolas, mais estradas, mais hospitais, menos inflação, blá-blá-blá. Vai faltar o “abaixo a violência de todos os tipos”: desde a corrupção até o assalto a mão armada! Sabem por que é assim? Porque os fichas sujas são candidatos livremente a todos os cargos. E porque para registrar cada desgraça nós simplesmente fazemos mais um samba!
 

Nada a pedir. Tudo a agradecer. Obrigado, Senhor, por confiar em mim sabendo que eu procuraria ser merecedor dessa vida tão esplendorosa, como divulgador e testemunha de Sua Lei.
Já ganhei telefonemas, vídeos, zaps, mensagens e, provavelmente até algumas preces. Quem sabe, até algum desencarnado já tenha vindo me abraçar. Agradeço a todos pelo carinho. Vamos registrar num verso.

CHEGUEI AOS OITENTA E TRÊS! 13/11/2017
Octávio Caúmo Serrano

O século seguia: Era o vinte;
O ano, trinta e quatro; o mês, novembro…
Dia 13, um dia que relembro
Ano após ano, a espera do seguinte…

A cada vez surge um novo requinte!
Do ano que passou ainda me lembro,
Novos amigos, sempre um novo membro,
E eu da voz de Deus seguindo ouvinte…

O Pai me deu de prêmio vida longa…
E O louvo porque ela se prolonga,
Para que eu quite mais dos meus deveres…

Que eu sempre faça jus a tal benesse
E para agradecer, como que em prece,
Revelo aos meus irmãos os Seus Poderes.

Obrigado, Senhor!

A imagem acima é um risco para pintura em óleo sobre tela, de Leonardo da Vinci.
Boletim Informativo "Tribuna Literária"
julho 2018
S T Q Q S S D
« fev    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Leituras

  • 56,656 poetas

Entre com seu email para assinar este blog e receber notificações de novos artigos postados.

Junte-se a 30 outros seguidores

Anúncios