You are currently browsing the monthly archive for junho 2010.

Eu gostaria de ter um pensamento
Dos que ninguém jamais havia pensado,
Que viesse do céu me presenteado
E chegasse até mim nalgum momento…

Não sei se posso ser agraciado,
Mas esse sempre foi o meu intento…
Quem sabe acabaria o sofrimento
Com a revelação de algum recado!…

Seria algo assim como um programa
De Deus para evitar que tanto drama
Manchasse o nosso lindo céu de anil…

Assim, aqui na Terra do Cruzeiro,
Deus seria louvado por inteiro,
Povoando só de anjos meu Brasil
.

Anúncios

Galguei o píncaro de meus oitenta anos,
Arrojando-me em árduas escaladas,
Mas os percalços de íngremes caminhadas
Não frustraram os rumos de meus planos.

Intempéries, tropeços, desenganos,
E as ciladas das curvas das estradas
Deixaram-me corpo e alma extenuados,
Mas sem seqüelas de indeléveis danos.

Na fé fortaleci minha esperança
De que, com labor e perseverança,
Lograria alcançar meus ideais.

Na amada família e na medicina,
Realizei-me na ditosa sina
De meus pendores vocacionais

Poeta médico Dr. Sebastião Aires de Queiroz
Parabéns e obrigado pela sua amizade.

Convidados pelo seu dinâmico presidente, José Irenaldo Jordão Quintans, na noite de 16 de junho deste 2010, estivemos na sede do Sinduscon de João Pessoa para assistir, como parte das comemoração pelos trinta anos da entidade, ao lançamento do livro sobre construção civil, nas suas diferentes etapas e implicações, com o título “Construção Civil: Uma Abordagem Macro da Produção ao Uso”, distribuído gratuitamente.
Após excelente palestra de apresentação do livro e agradecimento ao colegiado de autores, o presidente cedeu a palavra a algumas autoridades que compunham a mesa e finalmente foi servido um coquetel de confraternização para toda a classe que forma a construção civil, passando pelos projetistas, produtores, intermediários e fornecedores, além das entidades de classe ligadas a esse importante segmento industrial brasileiro.
Para nós, além do prazer de estar em tão importante reunião, foi um instante de meditação e volta às origens.
Nosso pai, nascido em Ribeirão Bonito, em São Paulo, em 1903, após trabalhar como operador de tear na Fiação de Tecidos São Carlos, na cidade do mesmo nome, não pode ser promovido à chefia porque, apesar da competência que o qualificava para o cargo, ele era analfabeto. Envergonhado, demitiu-se. Comprou uma colher de pedreiro, um prumo, um nível, uma desempenadeira e foi ser operário da construção civil. Foi o que fez a vida inteira, a partir desse episódio.
Na minha infância, entre os dez e treze anos, quando o pai já trabalhava por conta própria, fui seu servente. Fato comum nas famílias de baixa renda. Um dia, em meio a uma obra, abandonei-o para atender a uma entrevista de office-boy que o dono da obra havia me arranjado. Meu pai ficou muito zangado comigo naquele dia. E ele gostava tanto de mim!… Mas logo passou e ele continuou me amando muito. Era meu maior fã, apesar das minhas limitadas qualidades.
Enchendo-se de coragem, meu pai foi um micro construtor. Justifica-se o micro pelo seu inexistente acervo financeiro e pelo porte físico – 1,65 de altura e menos de 60 de peso -. Sua empresa era formada de dois sócios: ele e um irmão mais velho – Albino – ,sem empregados. Pelo menos como patrão e empregado de si mesmos eles nunca se viram envolvidos com as habituais causas trabalhistas que nascem hoje do desentendimento entre construtores e operários, embora o que devesse existir é harmonia porque o interesse é comum e o bom entendimento melhoraria o padrão do relacionamento e dos resultados. Em todos os níveis.
Meu pai recebia do proprietário um terreno e um projeto e ali edificava a moradia do patrão: ele e o irmão cercavam a área, furavam o poço – raramente havia água encanada na periferia onde mais trabalhavam – cavavam os alicerces, faziam a sapatas, levantavam paredes, cobriam, rebocavam, faziam forros de estuque, assentavam as peças de banheiro e cozinha, azulejos, colocavam pisos de tacos ou cerâmica, faziam a parte elétrica, hidráulica e a pintura. E não havia buchas, canos de pvc e outras facilidades. Chave na mão, pronta para morar!  Fizeram várias dezenas delas!
Um detalhe: Entre 1941 (38 de idade) e 1957 (quando faleceu aos 54 incompletos) ele viveu doente com terríveis crises de úlcera com dores muito fortes. Mas isso nunca foi motivo para ele perder um dia de serviço. Afinal, nada de aviso prévio, indenização, décimo terceiro, salário desemprego, auxílio doença, férias e outras mordomias dos dias correntes. Mesmo enquanto trabalhava para terceiros, não havia direitos. Ao final da obra o mestre ou o engenheiro agradecia e dispensava a turma que no dia seguinte começava a procurar novo trabalho.
Foram tempos duros, período da segunda grande guerra, com escassez de alimentos, moradia, condução, escolas, etc. Mas isso não impediu que ele e a mãe, que completava o salário da família lavando e passando para terceiros, nos dessem algum estudo para que hoje tenhamos uma condição bem diferente da deles. Hoje nos damos ao luxo de ajudar pessoas porque o que temos para viver está além do que necessitamos. Ironias de cada vida que só Deus pode explicar.
No Sinduscon enquanto eu ouvia falar em tecnologia, desenvolvimento sustentado, cadeia produtiva e tantas outras expressões da tecnologia moderna eu me lembrava do meu pai. Tinha um chapéu e uma calça velhos para trabalhar de pedreiro e uma calça e um chapéu novos para ir e vir do trabalho. No sábado, depois de  trabalhar até as quatro da tarde, faziam uma parada no barbeiro para tirar os pelos do rosto e, de vez em quando, aparar os poucos fios de cabelo que ainda restavam em sua cabeça plena de sonhos e de idéias, impossíveis de serem realidade. Seu destino, nesta vez, era outro!
Que saudades eu tenho do meu pai! Que gratas lembranças eu tenho das lutas da minha mãe!
Que Deus os abençoe onde estejam: por lá ou por cá!…
Parabéns ao Sinduscon pelos trinta anos de expressiva existência e um agradecimento a todos os que compõem a entidade pela maneira fidalga como recebem os visitantes.

Sinto exalar de ti doce perfume,
Sem poder definir qual é a essência,
Se é de flor: de uma dália, de uma hortênsia,
De uma rosa ou jasmim; cheira ciúme!…

Desejo confessar a inexperiência,
Porque no assunto não tenho costume,
Embora aqui não vá nenhum queixume,
Confesso, sinto o cheiro até em tua ausência…

Pergunto se seria algum extrato,
Das flores mais miúdas que há no mato,
Ou de um gerânio ou malva, a flor que acalma…

Mas prestando atenção a essa fragrância,
Acalmo o coração, contenho a ânsia,
E sinto que o perfume é de tua alma!

A Oliveira de Panelas
Parabéns pelos 58 anos – 24/5/2004 

Foi por sorte que tive a idéia um dia
De presenteá-lo com meus parcos versos,
E mostrar-lhe o meu mundo onde hoje, imerso,
Extasio-me e respiro poesia.
Um transtorno causar-lhe eu não queria,
Mas você, caro Oliveira Francisco
De Melo, que Deus guarda em seu aprisco,
Conhecido que é hoje por Panelas,
Pelo etéreo, por céus e por vielas,
Generoso, gostou dos meus rabiscos…

E agora, 24, mês de maio!
Veio-me à mente que em 46,
Deus se encheu de alegria, inda uma vez,
E tirou de seu magno balaio
Uma luz que na Terra, como um raio,
Transformou um corpo inerte num poeta,
Para ser no poema um grande asceta;
O batismo lhe pôs nome Oliveira,
Como a planta perene e verdadeira,
Das lavouras divinas mais seletas.

Oliveira, bela árvore do horto,
Onde o Cristo, à sombra, ia repor
Os desgastes das lutas, do amargor,
Fazendo do lugar seguro porto;
Mas depois, maltratado, preso e morto,
Deixou as oliveiras lá feridas,
Todas elas em pranto, entristecidas,
Mas que hoje, em suas veias, nobre vate,
Vêem fluir toda a seiva, em seu quilate,
Nas mensagens do gênio, revividas.

Nunca fui, Oliveira, um repentista,
Nunca fiz os meus versos de improviso;
E é talvez por mostrar muito juízo
Que na arte do repente eu não invista…
Porém hoje acordei de boa crista
E lembrei-me de ir ao dicionário
Pesquisar e arranjar vocabulário,
E tentar ver se posso, sem ufanos,
Saudar os seus cinqüenta e oito anos,
Nesta festa do seu aniversário.

Desculpe pelo meu atrevimento
De querer fazer verso em seu louvor,
Pretendendo mostrar-me trovador,
E você rir de mim neste momento,
Mas confio que o seu bom sentimento,
Irá compreender minha intenção;
Só desejo deixar a saudação
De um amigo que lhe é agradecido
Por tudo o que já tem me oferecido;
Parabéns, grande poeta e meu irmão.

Que a cabeça mantenha a mesma luz
Do sempre generoso coração,
Que possa planger muito o violão,
Ornando de beleza a própria cruz;
Faço tais rogativas a Jesus,
Pintando em cores vivas de aquarela,
E espero que você se nutra delas;
Findando, vou dizer, por amizade:
Deus o abençoe, lhe dê felicidade.
Caro amigo, Oliveira de Panelas!

a) Octávio Caúmo Serrano

 

A imagem acima é um risco para pintura em óleo sobre tela, de Leonardo da Vinci.
Boletim Informativo "Tribuna Literária"
junho 2010
S T Q Q S S D
« maio   jul »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Leituras

  • 54,798 poetas

Entre com seu email para assinar este blog e receber notificações de novos artigos postados.

Junte-se a 27 outros seguidores